7 passeios obrigatórios para fazer em Cunha
29/11/2018

7 passeios obrigatórios para fazer em Cunha

1. Lavandário

Provavelmente o atrativo mais popular e encantador de Cunha, o lavandário se trata de um imenso campo coberto por diversas espécies de lavandas, parecido com aqueles já muito famosos da região de Provence, na França, que forma um verdadeiro mar roxo de puro charme, romantismo e perfumes. O lavandário fica florido durante o ano inteiro e conta com ainda mais do que apenas a contemplação do campo – é possível também aprender sobre o cultivo e preservação das plantas e ainda visitar uma casa provençal e sua loja, onde você pode comprar diversos produtos e ainda experimentar chás ou sorvetes de lavanda com direito a uma belíssima vista do vale.



2. Pedra da Macela

Para uma das vistas mais privilegiadas e espetaculares da região, a trilha que leva ao topo desta montanha é um passeio simplesmente imperdível. Basta caminhar apenas cinco quilômetros (ida e volta) por estrada asfaltada para alcançar o cume da Pedra da Macela, a 1.840 metros de altitude, e se deslumbrar com uma paisagem de 360º que se estende desde a Ilha Grande e as baías de Angra dos Reis até Paraty.



3. Parque Estadual da Serra do Mar

Com uma extensão impressionante de mais de 330 mil hectares que percorre o litoral leste a sul (desde o estado do Rio de Janeiro até São Paulo, abrangendo 25 municípios no total), o Parque da Serra do Mar se trata da maior porção contínua de Mata Atlântica preservada em todo o Brasil, abrigando até mesmo mais espécies por hectare do que a própria Amazônia. Por lá, você pode tanto fazer trilhas em meio a inúmeras paisagens naturais de tirar o fôlego, como também aprender mais sobre o riquíssimo ecossistema do local, que inclui cachoeiras, rios, matas de araucária e muito mais.


Rio Bonito, no Núcleo Cunha - Foto: Parque Estadual Serra do Mar

4. Ateliês de Cerâmica

Para quem gosta de arte e passeios tranquilos e encantadores, o Atelier de Cerâmica Suenaga & Jardineiro é uma atração simplesmente imperdível – você verá em primeira mão como são feitas as mais lindas artes de cerâmica com toda a técnica e tradição japonesa graças aos fornos “Noborigama”, trazidos diretamente do Japão em 1975, e que fizeram de Cunha um verdadeiro polo nacional de arte cerâmica.



  Quer conhecer Cunha? Conheça os pacotes e viagens do Desviantes para Cunha


5. Cervejaria Wolkenburg

Além de seu nome, a tradição e a bebida são também puramente alemãs – nesta cervejaria, criada por um alemão, as cervejas são produzidas de acordo com a “Reinheitsgebot” (que traduz para Lei da Pureza da Cerveja), que foi elaborada para controlar a qualidade da bebida e, por isso, só pode ser fabricada com os únicos ingredientes de água, malte de cevada e lúpulo. A cerveja já ficou tão famosa em Cunha que é comercializada e consumida pela cidade inteira, e você pode degustá-la e observar sua produção em uma visita à cervejaria!


Foto: Vou Contigo

6. Mercado Municipal de Cunha

Um passeio bem tranquilo, cultural e gastronômico, o Mercado Municipal de Cunha é ideal para conhecer e experimentar as delícias típicas da cidade e ainda comprar diversos tipos de produtos, desde pães, frutas e verduras, doces, mel, pinhão, bebidas e queijos artesanais até artes de cerâmica, ferramentas rurais, calçados de couro etc. Além disso, o Mercado ainda carrega importância histórica, uma vez que seu prédio, em estilo colonial, é um dos mais antigos da cidade, tendo sido inaugurado em 1913 sobre as ruínas de uma capela.


Foto: Viagem no Detalhe

7. Cachoeira do Pimenta

Esta não é só a cachoeira mais bela de Cunha, mas também uma das mais bonitas do interior de São Paulo, sendo muito visitada por turistas nos feriados e finais de semana. É formada por várias quedas, que podem ser vistas desde a estrada de acesso, e, no topo da cachoeira, elas se encontram na barragem (que pertencia a uma antiga usina hidrelétrica) e desaguam para criar um profundo poço natural, perfeito para mergulhos refrescantes. Para chegar ao poço, você pode tanto fazer o percurso de carro pela estrada e ir diretamente à base da cachoeira ou, então, deixar o carro lá em cima na estrada e descer a pé por uma trilha bem curta e simples para poder ver as quedas de cima.


Foto: Guia Vale do Paraíba

Flavio Nodomi

Praticante de mergulho autônomo, trekking e escalada. Amante de fotografia, viagem e natureza, já viajou para diversos países e cidades brasileiras registrando em fotos alguns dos cenários naturais mais bonitos do mundo.