Passeios imperdíveis de trekking no Atacama
02/07/2018

Passeios imperdíveis de trekking no Atacama

Foto da Capa: Cecilia Heinen


Vulcão Lascar

Imagine a emoção de escalar um vulcão de mais de cinco mil metros de altitude e que ainda é considerado um dos mais ativos do norte do Chile – assim é o trekking ao topo do Lascar, de onde você poderá observar bem de perto sua imensa cratera, de 300 metros de profundidade e 750 metros de diâmetro, que, por ser ativo, expele uma fumaça que pode ser vista de vários lugares do Atacama, inclusive de San Pedro. Apesar de toda essa imponência, o trekking é considerado de nível fácil a moderado, pois além de ser um percurso que pode ser feito por pessoas de qualquer idade (basta não ser sedentário e gostar de caminhadas), pode também ser uma excelente opção para iniciantes, já que a subida leva apenas duas a três horas e a descida apenas uma a duas horas; no entanto, o tempo total do passeio pode ser de até oito horas, uma vez que é importante fazer paradas a cada trinta minutos ou uma hora para evitar cansaço e principalmente enjoo de altitude (por isso, aliás, é necessário fazer aclimatação na região antes de fazer a trilha). Além da cratera e da paisagem panorâmica do cume, ambos cenários espetaculares e cinematográficos, você ainda poderá admirar a belíssima Laguna Leíja.


Cratera do vulcão Lascar - Foto: Bas Wallet

Cerro Toco

Um trekking similar ao Lascar por causa do pouco tempo que leva para completar o percurso e por ser um ótimo início para quem quer entrar para o mundo das caminhadas no Atacama (além de também ser uma das melhores trilhas da região para aclimatação antes de fazer outros trekkings mais difíceis), o Cerro Toco é um vulcão também de mais de cinco mil metros de altitude, mas que é inativo e de nível ainda mais fácil do que do Lascar, levando apenas uma hora e meia ou duas horas para escalá-lo e menos (ou no máximo) uma hora para descê-lo – no total, são seis horas de passeio com tempo de sobra não só para fazer paradas como também para observar as paisagens maravilhosas, como da Cordilheira dos Andes, da Laguna Blanca (que fica na Bolívia) e dos outros vulcões ao redor (Licancabur e Juriques).


Cume do Cerro Toco - Foto: Juan Pablo Lauria

Trekking Luna e Morte

Outra ótima opção para quem quer começar a praticar essa atividade de aventura e ideal para pessoas de todas as idades, esse trekking tem duração somente de quatro horas no total (são apenas seis quilômetros de caminhada), o que significa que tem um grau de dificuldade baixo e tranquilo. Mas esse não é seu único ponto positivo – além da facilidade do passeio, os cenários que você encontrará durante o trajeto parecem ter saído de um filme ou de outro planeta, pois passa não só pelos famosos locais que deram nome a esse trekking (o Valle de La Muerte e o Valle de La Luna), mas também pela Cordilheira do Sal e suas fascinantes formações rochosas, como as Três Marias e a Mina Crisanta, entre tantas outras paisagens de tirar fôlego.


Valle de La Luna

Trekking Rio Grande-Machuca

O nome que esse passeio ganhou foi graças aos dois pequenos povoados da região do Atacama, que ficam 16 quilômetros distantes um do outro – e é esse o caminho percorrido nesse trekking, começando em um dos povoados e passando por atrações naturais e históricas, além dos vários animais típicos do país (como lhamas, vicunhas e guaiatas), até chegar no outro povoado. Entre os dois lugares, haverá algumas descidas e subidas íngremes, portanto, o nível de dificuldade aumenta, mas ainda é considerado moderado, porque sua duração não é tão longa – são cinco horas de caminhada, mas o passeio pode levar cerca de oito horas com as paradas.


Povoado de Machuca - Foto: Carlos Varela


 Confira os pacotes para o Deserto do Atacama aqui



Trekking de Guatin e Termas

Provavelmente o trekking mais fácil de todos da lista – são sete quilômetros que podem ser tranquilamente percorridos em apenas duas horas de caminhada –, além de ser uma ótima maneira para se aclimatar antes de fazer outros trekkings do Atacama (principalmente o do vulcão Lascar), esse passeio, também conhecido como a “Trilha dos Cactos”, passa por incríveis paisagens da flora típica do deserto e, ao final, há uma bela e deliciosa recompensa quando você chegar nas Termas de Puritama, piscinas naturais com águas quentes onde é possível relaxar em meio a um cenário exótico.


Termas de Puritama - Foto: Cata Gonzalez

Cerro Copacoya

Esse pode não ser o trekking mais fácil – tem nível intermediário, levando cinco horas para caminhar quinze quilômetros (ou então até nove horas no total com as paradas) –, mas é, com certeza, um dos mais incríveis e imperdíveis. Além das paisagens extremamente impressionantes durante o percurso, como dos montes, montanhas e rochas curiosas, da flora e fauna (há lindas plantas de deserto e diversas espécies de animais) e dos vulcões e picos nevados ao redor, você terá a oportunidade de conhecer uma das principais atrações do Atacama: os Gêiseres del Tatio, um campo geotérmico a mais de quatro mil metros de altitude de onde saem colunas de fumaças, formando um cenário esplêndido. No entanto, vá preparado para temperaturas muito baixas (algumas vezes negativas) que são causadas pela sua altitude elevada, mas o ponto positivo é que há a possibilidade de se aquecer na piscina termal que existe em El Tatio.


Gêiseres del Tatio - Foto: Shriram Rajagopalan

Cerro Quimal

Apesar de ter uma altitude menor que do vulcão Lascar e do Cerro Toco (possui cerca de 4.200 metros), o trekking que escala a montanha do Cerro Quimal é mais exigente e tem um nível moderado a difícil, pois sua subida de dois quilômetros e meio é feita em terreno muito pedregoso e pode durar de duas a quatro horas para alcançar o topo (além de uma a duas horas para a descida, sendo que o passeio completo pode levar um total de sete a oito horas). No entanto, o Quimal é o maior da Cordilheira de Domeyko – que fica nos arredores do Salar de Atacama – e, por isso, descortina uma paisagem panorâmica impressionante da região, além de ser um trekking ótimo para se aclimatar e “praticar” antes de escalar outras montanhas e vulcões maiores.


Vista do Cerro Quimal e da Cordilheira de Domeyko - Foto: Piaseno

Vulcão Licancabur

Finalmente, o trekking mais exigente e avançado dessa lista é o que escala o imponente vulcão Licancabur, que possui impressionantes dimensões de quase seis mil metros de altitude e, juntamente com seu vulcão vizinho Juriques, pode ser visto por mais de 150 quilômetros de extensão e predomina a paisagem do Salar de Atacama. É importante fazer aclimatação antes de se aventurar nesse trekking, pois pode levar de sete a oito horas apenas para chegar até seu cume e às margens de sua cratera (já a descida deve durar em torno de três a quatro horas), mas você não se arrependerá pelo esforço físico – além de ter a sensação inesquecível de vencer esse desafio e poder observar de tão perto a cratera de um vulcão, você ainda verá cenários espetaculares e cinematográficos, como das lagoas Blanca e Verde, que, emolduradas pelos picos nevados ao fundo, formam um dos mais clássicos e lindos cartões-postais do Atacama.


Vulcão Licancabur e a Lagoa Verde - Foto: TravelHound.cl

Silas Barbi

Praticante de trekking, escalada, mergulho livre e profissional de marketing por formação. Acredita em mundo com menos rotina e mais aventura. Suas duas paixões são o Brasil e a Natureza e não é por acaso que o seu principal objetivo de vida é levar as pessoas para conhecer as belezas naturais do Brasil.