Pulando de paraquedas pela primeira vez
21/11/2013

Pulando de paraquedas pela primeira vez

Imagine o seu corpo sendo lançado em queda livre a uma velocidade de aproximadamente 200 km/h em direção a terra. Não parece loucura? Mas não é. Quem já experimentou saltar de um avião em movimento sabe muito bem do que eu estou falando. A sensação é que essa experiência pode levar à loucura. É difícil conseguir transmitir o que se sente no momento dessa queda. É como se o corpo estivesse estourando por uma bomba de adrenalina. A cabeça vai a mil. Os pensamentos ficam confusos e geram uma mistura de medo, mas de imensa satisfação. Realmente é muito bom.

Uma dica: converse com um amigo que já saltou; peça para ele tentar descrever como foi o salto dele. A resposta será inevitável num primeiro momento: “Não tem explicação, só saltando para saber”. Mas segundos depois, ele se empolga e solta a língua para tentar descrever o prazer de saltar.

Como não tem jeito de vivenciar a experiência do outro, o melhor mesmo é encontrar as respostas por conta própria. Exatamente para ajudá-lo a enfrentar essa loucura, o Desviantes preparou para você um breve manual. Fique tranquilo que você não estará sozinho na estreia do seu primeiro salto de paraquedas. Nós estaremos por aqui com dicas e à disposição para tirar as suas dúvidas.

Vamos começar com 10 dicas que dão tranquilidade antes e durante o salto

1. Pesquise sobre dados referentes ao mundo do paraquedismo
- A altitude dos saltos é cerca de 12 mil pés, o equivalente a aproximadamente 4 mil metros de altura
- A queda livre dura de 30 a 45 segundos
- A velocidade da queda livre é 220 km/h
- A capacidade de peso do paraquedas é de até 300 kg
- O paraquedas leva 4 segundos para abrir
- Para saltar, a idade mínima é de 15 anos

2. Comece com um salto duplo para se familiarizar ao esporte
O salto duplo ou Tandem é a maneira mais simples de vivenciar um salto de paraquedas. No salto duplo você vai acompanhado de um instrutor; ele é treinado e qualificado para isso. Para saltar com uma pessoa que está começando, ele utiliza um equipamento especial e adequado para suportar um peso maior. Antes o aluno recebe um treinamento rápido de 5 a 10 minutos para conhecer as melhores posições que o salto exige. O instrutor é responsável por tudo o que envolve o salto. Não se preocupe que você estará seguro; ele vai mantê-lo fixado em seu peito durante a queda.

Preparação para salto de paraquedas

Foto: Queda Livre

3. Escolha um local próximo e certificado para realizar o salto
No Brasil existem 36 áreas de salto certificadas pela Confederação Brasileira de Paraquedismo (CBPq).

Confira as áreas mais próximas da cidade de São Paulo

Centro Nacional de Paraquedismo (CNP), em Boituva – 122 km de São Paulo
Endereço: Avenida Industrial, s/n

Centro Aeroterrestre Skydive, em São Vicente – 70 km de São Paulo
Endereço: Rua Frei Gaspar, 3874

Para quem está na cidade do Rio de Janeiro, veja as áreas mais próximas
Área de Saltos Skydive Rio, no Bairro da Tijuca, RJ
Endereço: Rachel de Queiroz, s/n. Clube da Aeronáutica

Barra Jumping, no Bairro da Barra da Tijuca, RJ
Endereço: Aeroporto de Jacarepaguá, Avenida Ayrton Senna, 2541

Se você fica em outras cidades do Brasil, acesse o site da CBPq para conferir a região mais conveniente. Lá tem uma lista completa dos locais.

4. Use roupas confortáveis e tênis
É indicado vestir uma roupa solta para não restringir os movimentos das pernas. As escolas de paraquedismo fornecem um macacão especial para vestir sobre a roupa do corpo. É um traje especial para salto que protege o paraquedista da baixa temperatura, muito comum nas altitudes elevadas. Essa roupa também é apropriada para fixar o instrutor ao paraquedista de primeira viagem. Ambos ficam seguros pelos ombros e pernas no equipamento parecido com as cadeirinhas de escalada. Fique tranquilo em relação à temperatura, a adrenalina é tanta que você nem vai notar que ela sofre uma queda.

5. Esteja bem alimentado
Coma normalmente, mesmo antes do salto. Eventuais enjoos ocorrem se as pessoas estão em jejum ou desidratadas. É normal ficar ansioso, mas cuidado para não afetar o ritmo do seu organismo. Tente deixar a apreensão para o momento do salto.

6. Preste atenção às instruções antes do salto
Algumas escolas oferecem um suporte para o aluno treinar os movimentos. Por maior que seja a adrenalina, lembre-se de repeti-los na hora da queda. A abertura adequada dos braços e das pernas garantem mais estabilidade para o paraquedista curtir melhor a paisagem.

Foto por Queda Livre

7. Aproveite o voo
Quando o avião decola, a adrenalina aumenta e os pensamentos surgem como uma bomba. Apesar de toda a emoção, aproveite para descontrair; olhar a paisagem pela janela do avião é uma boa pedida para relaxar. Interaja com as outras pessoas que farão o salto. Quer saber a melhor técnica para descontrair e espantar o medo? Dê muita risada. Alivia a ansiedade. Quando se aproximar da altitude do salto, o instrutor se prende ao seu corpo e o piloto, ou algum alarme, avisa que chegou a hora do salto.

8. Chega a hora do salto
O instrutor e o aluno ficam juntos e presos entre si por equipamentos. É hora de se posicionar para saltar. Normalmente, o avião carrega de cinco a 10 duplas. Se você estiver sentado próximo à porta, prepare-se que você será um dos primeiros a saltar. Se por um lado é desesperador ser o primeiro, por outro é o fim dos momentos de ansiedade. É aquele pensamento: se é para saltar que seja logo. A primeira dupla abre a porta e o vento toma conta do avião, daí para frente é se concentrar e curtir a adrenalina fluindo pelos nervos. Caso não pule em primeiro, você assistirá o salto das pessoas. Não se impressione, elas simplesmente desaparecem no ar.

Relembre o movimento dos braços e das pernas e vá para a porta do avião. Esse momento talvez seja o ápice do salto; olhe para o solo ou para as nuvens. Quando o instrutor der o sinal, simplesmente concentre-se e deixe o seu corpo cair. Pronto, você estará em queda livre.

9. Durante a queda livre
Segundo as leis da física, o corpo em movimento de queda livre atinge sua velocidade terminal, cerca de 200 km/h –, valor médio de um homem caindo de barriga para baixo. Logo nos primeiros segundos de queda, você sentirá a velocidade aumentando e também um friozinho na barriga; a sensação é parecida à descida de uma montanha russa. A aceleração da queda pode dificultar um pouco a respiração, mas fique tranquilo que em instantes você se adapta e volta a respirar normalmente. Durante os 40 segundos da queda, extravase, grite bastante, fará bem. Você vai notar uma coisa engraçada, não se escuta o próprio grito. Preste atenção na velocidade em que o solo se aproxima da visão e como a sensação de “voar” é prazerosa. Quando estiver curtindo o visual, você vai sentir uma coisa estranha. A adrenalina do salto é tanta que você esquece que o paraquedas vai abrir, nessa hora acha esquisito o seu corpo sendo puxado para cima. Dá a impressão de que vai subir de repente, mas com o paraquedas aberto é só voar até o solo.

10. Voo e aterrissagem
Apesar do paraquedas aberto, a aventura ainda não acabou. A descida acontece em torno de 5 minutos e pode ser relaxante ou radical depende de quem está saltando. Para a descida ser radical, você pode pilotar o paraquedas e o instrutor fazer curvas rápidas provocando o tal friozinho na barriga. Ao se aproximar do solo, o instrutor assume o comando e passa as instruções para você. Normalmente, a orientação é levantar as pernas no momento de atingir o chão; só o instrutor pisa no solo.
De volta em solo firme, o desafio foi vencido. Mais essa façanha para a sua história de vida. Não importa se as pernas ficarão tremendo ou se você será tomado por euforia; o que realmente importa é ter participado dessa loucura. E tem mais, você vai querer repetir.

Aterrissagem Paraquedas

Foto: Paraquedismo Boituva

Ficou alguma dúvida sobre saltar? Veja se as respostas abaixo ajudam a vencer a sua incerteza para tomar uma decisão.

E se o paraquedas não abrir?
Não se preocupe. Os fabricantes de equipamentos para o paraquedismo evoluíram muito em relação à segurança dos produtos. Falhas e problemas no velame (paraquedas) são muito raros. Quando acontece algum incidente é por falha humana no manuseio ou falta de manutenção dos equipamentos. De qualquer maneira, há também o paraquedas de emergência, que contém um sistema automático de abertura. O Dispositivo de Abertura Automática do Reserva (DAAs) é um pequeno computador que monitora constantemente a altitude e ativa o reserva em caso de problemas com o velame principal.
Apesar do nome “reserva”, os paraquedas reservas recebem ainda mais atenção do que os principais; são dobrados e inspecionados a cada 120 dias por um dobrador especialista chamado de rigger e, por isso, estão muito menos propensos a erros de fabricação e manutenção.

Posso desistir?
Sim. É possível desistir a qualquer momento, seja no avião em terra ou no ar. No entanto, pense muito antes de tomar essa decisão. O salto de paraquedas proporciona um sentimento singular e inesquecível. Não seja racional, simplesmente escute seu instrutor, faça o que ele mandar e se dê o direito de viver essa experiência. O instrutor é preparado para mostrar a segurança do salto e tranquilizá-lo. Dizem que é melhor você se arrepender do que fez. Teoria justa, mas pela minha experiência quem salta não se arrepende, ao contrário quer repetir mais e mais vezes. Aproveite e depois conte aqui no Desviantes como foi a sua experiência. Boa sorte!

 

Dicionário Desviantes

Queda livre: é a condição de aceleração causada pela gravidade e atrito com o ar.
Adrenalina: é um hormônio simpaticomimético e neurotransmissor. Em situação de estresse passa por um processo que prepara o organismo para esforços físicos, estimula o coração, relaxa e contrai certos músculos.
Paraquedas: é um equipamento, dispositivo, que permite diminuir a velocidade de uma pessoa no ar. A palavra é híbrida de origem grega que significa "aquele que protege contra uma queda".

Tandem: variação do paraquedismo onde duas pessoas saltam juntas, normalmente o instrutor e um passageiro ainda inexperiente na modalidade.

CBPq: Confederação Brasileira de Paraquedismo reúne associados em torno do assunto. Oferece desde legislação a cursos sobre a modalidade.

Velame: é uma das peças principais para promover o desempenho do paraquedas.

DAAs: Dispositivo de Abertura Automática do Reserva; paraquedas abre automaticamente.
Altitude: é a distância vertical entre um determinado ponto e o nível médio do mar.
Rigger: pessoa especialista em dobrar o paraquedas; dobrador.

 

ica Desviantes:

Gosta de Adrenalina e Aventura?

Tirolesa Desviantes Confira os roteiros e atividades oferecidos pelo Desviantes

Silas Barbi

Praticante de trekking, escalada, mergulho livre e profissional de marketing por formação. Acredita em mundo com menos rotina e mais aventura. Suas duas paixões são o Brasil e a Natureza e não é por acaso que o seu principal objetivo de vida é levar as pessoas para conhecer as belezas naturais do Brasil.


Fatal error: Uncaught exception 'ErrorException' with message 'file_put_contents(): Only 0 of 183 bytes written, possibly out of free disk space' in /var/www/desviantes.com.br/system/classes/Kohana/Log/File.php:90 Stack trace: #0 [internal function]: Kohana_Core::error_handler(2, 'file_put_conten...', '/var/www/desvia...', 90, Array) #1 /var/www/desviantes.com.br/system/classes/Kohana/Log/File.php(90): file_put_contents('/var/www/desvia...', '?2020-10-25 22:...', 8) #2 /var/www/desviantes.com.br/system/classes/Kohana/Log.php(206): Kohana_Log_File->write(Array) #3 /var/www/desviantes.com.br/system/classes/Kohana/Session.php(377): Kohana_Log->write() #4 [internal function]: Kohana_Session->write() #5 {main} thrown in /var/www/desviantes.com.br/system/classes/Kohana/Log/File.php on line 90